OBJETIVO DO BLOG

Este blog tem por objetivo orientar os pais que possuem filhos entrando ou vivenciando a adolescência. De orientar também os professores que lidam com eles diariamente,para que possam compreender suas dificuldades e ajudá-los ainda mais, pois, esta é uma fase complicada na vida dos jovens e, muitos pais e professores não sabem como agir diante de certas atitudes desses jovens. Pais e professores encontrarão aqui informações de médicos, psicólogos e teóricos sobre a educação dos adolescentes.

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

OS MAUS-TRATOS INFANTIS

Muitos pais acreditam que a única forma de educar os filhos é impondo-lhes castigos, afirmando que as crianças, de vez em quando, “pedem uns tapas”. Mas essa história não é verdadeira. Se faz algo que não gostamos é por dois motivos: ou porque já fez e ninguém a repreendeu e ela acredita que pode repetir ou porque ninguém a ensinou a obedecer certas regras básicas de convivência.

Muitas vezes, os castigos impostos às crianças são exagerados e impróprios para a situação a qual está sendo castigada ou para a sua idade. Esses castigos podem ser: físicos, mentais, morais e emocionais.


Triste, não é?

 

Os castigos físicos são os tapas, surras e espancamentos, queimaduras com pontas de cigarro, atirá-las contra uma parede, encarceramento etc. Os morais são: os xingamentos, apelidos depreciativos e olhares intimidativos. Os mentais são aqueles levam as crianças a acreditarem que são incapazes quando, na realidade, não são. Tecer comentários negativos intencionalmente para ela ou para amigos e parentes diante dela, com o intuito de ridicularizar ou menosprezar suas habilidades e capacidades.
 

Porém, os mais perniciosos são os castigos emocionais. Estes causam marcas e dores cruciais e que perduram a vida inteira. São eles: o abuso sexual e a exploração sexual de menores com finalidade lucrativa.

O ABUSO SEXUAL INFANTIL
Crianças que sofrem abuso sexual existem em todas as sociedades. E independe da idade (de 1 a 12 anos) e do sexo que as crianças abusadas possam vir a ter. Quando se fala em abuso sexual, costuma-se pensar apenas no contato sexual entre adultos e crianças. Porém, esquecemos (ou deixamos de perceber) aqueles que ocorrem entre crianças (maiores e a outra menor em idade ou tamanho).
Embora o fato do abuso sexual acontecer também com meninos (de todas as idades) e o número de casos ser bem alto, a quantidade de meninas abusadas sexualmente é ainda maior, ou seja, o triplo dos casos com meninos.

Seja qual for o sexo da vítima, estudos e estatísticas mostram que o agressor é homem (a maioria) e conhecido das vítimas. Podendo ser pais, padrastos, tios, vizinhos e amigos frequentadores da residência da vítima. Esses homens, geralmente, foram abusados na infância. No entanto, não atacam enquanto meninos. Só o fazem depois de adultos. E se a estatística mundial já possui um número elevado desses casos, na realidade podemos considerar o triplo.

O QUE É CONFIGURADO COMO ABUSO SEXUAL INFANTIL

Define-se como abuso sexual infantil “toda a forma que um adulto (ou adolescente mais velho) se vale para se estimular sexualmente”. Essas formas independem do ato sexual consumado, ou seja, expor fotos dos órgãos genitais dos menores, intimidar ou aliciar uma criança para sua própria satisfação, despir ou tatear o corpo do menor, pressionar o corpo da criança contra o seu aparelho genital, ejacular sobre o corpo da criança  e produzir pornografia infantil.
Este assunto é cercado por uma aura de tabu. Primeiro, por ser difícil conseguir dados estatísticos confiáveis e, segundo, pela “lei do silêncio” que impera nas famílias das crianças abusadas.
A lei do silêncio familiar se faz presente quando o agressor é o pai ou um parente próximo. O silêncio existe por dois motivos: a) o agressor é um familiar e b) por intimidação.
No primeiro caso, os familiares preferem conviver com o fato e não denunciar o agressor. No segundo, mesmo sendo um parente (pai, filho ou irmão), o medo da intimidação do agressor (agressiva ou financeira) ou exercida pelo consenso do grupo familiar faz com que as “testemunhas” se calem. Porém, o silêncio e a falta de denúncias enfraquecem os dados estatísticos e não os torna confiáveis.

CONSEQUÊNCIAS DO ABUSO SEXUAL INFANTIL

O abuso sexual sempre gera consequências nocivas a curto e longo prazos. Essas consequências são: físicas, psicológicas e comportamentais.


As consequências físicas são os ferimentos provocados quando o ato sexual é consumado por um adulto. O corpo da criança até a adolescência ainda está em formação, portanto, não está preparado para esta atividade. Logo, a penetração do adulto dilacera os órgãos internos da criança causando intensa hemorragia que pode levá-la à morte. Caso sobreviva, a criança apresentará várias reações físicas, tais como o “efeito de regressão”, ou seja, voltar a chupar o dedo, voltar a urinar na cama (o maior indicador de abuso sexual infantil), medo de ser tocada por qualquer pessoa (pela mãe inclusive) e pavor ou recusa de aproximação diante do agressor.
Na escola poderão encontrar dificuldade de aprendizagem, evitar o contato social com os colegas, praticar crueldade com animais, déficit de atenção, atitudes agressivas contra os colegas e transtorno desafiador opositor (aquelas crianças que desafiam os adultos e não ficam contentes com nada), baixas autoestima e autoconfiança.
Na adolescência poderão apresentar: depressão, ansiedade, transtornos alimentares, baixas autoestima e autoconfiança, de dores físicas por somatização da dor vivenciada, transtorno do sono, choros compulsivos sem motivos aparentes, isolamento. Podem apresentar algumas patologias comportamentais como: transtornos sexuais, automutilação (incidência 4 vezes maior que em outros casos) e tendência ao suicídio.
Na idade adulta podem apresentar: tendência ao uso abusivo de álcool e drogas, tendência às práticas criminosas e ao suicídio.

O QUE DIZ A LEI?
TODA E QUALQUER FORMA DE ABUSO SEXUAL INFANTIL É CRIME. A visão de consentimento nestes casos, deixam de existir. As crianças não têm o discernimento necessário para consentir ainda não faz parte do seu desenvolvimento.

NÃO SE CALE... DENUNCIE.

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA (PARTE 1)

A violência doméstica é mais comum do que se pode imaginar. Caso fosse contabilizada, este tipo de violência elevaria o número estatístico para níveis muito mais altos do que a violência das ruas.

Como violência doméstica estão inclusos: A negligência, o abuso e a exploração sexual ou comercial de crianças e adolescentes, são formas, mais graves. A seguir vem os maus-tratos infantis e contra os adolescentes e o conjugal, podendo ir desde os castigos xingamentos, palavras ou apelidos depreciativos que tenham a intenção de ridicularizar ou de menosprezar as capacidades ou as habilidades dos filhos ou da esposa, as surras, espancamentos, encarceramentos, queimaduras propositais, o abuso sexual e a morte.

 A NEGLIGÊNCIA

Infelizmente, aqueles que deveriam zelar pelo bem-estar da criança são aqueles que maltratam. Os pais (de ambos os sexos) podem ser algozes dos filhos. Mas também podem ser os parentes mais próximos: tios, avós, primos etc.

A negligência é a pior forma dos pais agirem. O descaso e a omissão constituem formas veladas de violência e não contabilizada nas estatísticas. Os pais que a praticam nem imaginam ou desconhecem os estragos que produzem na vida dos filhos. É negligência a falta de cuidados com a higiene, alimentação, estimulação dos sentidos, saúde, educação, falta de informação, que causam prejuízos não só contra o bem-estar físico, mental, emocional, moral, mas porque esses prejuízos atingem, principalmente, no que tange com a relação da inteligência, habilidades e capacidades que a criança deveria desenvolver e não desenvolve. 


Muitas vezes, esse desleixo é justificado pela pobreza. Mas isto não procede por que, muitas famílias que vivem numa situação de extrema pobreza, cuidam dos filhos da melhor forma que podem. No entanto, encontramos a  negligência em famílias em que falta de recursos financeiros não é o problema. Portanto, a negligência está em toda a parte, na casa do rico e do pobre. 


O abandono é outra forma velada de negligência. Não estou falando do abandono em lixeiras, parques, metrô ou outro lugar qualquer. Esta forma é considerada “crime por abandono de incapaz” porque um bebê recém-nascido não tem como sobreviver sozinho e, ao fazer isso, a mãe (ou outro parente) coloca a vida do bebê em risco.

O abandono que tratamos aqui é bem mais comum do que se pode imaginar. Um exemplo bem simples são os pais que não param em casa (trabalho, compromissos sociais, viagens etc) e nunca estão no momento que o filho mais precisa deles. E quando estão, não encontram tempo para um carinho, brincar ou conversar com o filho. Geralmente, esses pais delegam sua função de educar para uma terceira pessoa (parente ou não).

Por outro lado, há os que não conseguem ver no filho real, o filho idealizado e esperado. Muito comum quando a criança nasce com alguma deficiência, principalmente, a intelectual. Ao vê-lo, ficam decepcionados. Por isso, passam a ignorar sua presença e suas necessidades. Na maioria dos casos, o pai é quem mais fica distante ou abandona o lar.

É o caso também de crianças de comportamento difícil (agressivo, briguento, desafiador ou teimoso) e passa a ser visto como a “ovelha negra” da família. Muito comum em casos de crianças com TDAH (Transtornos do Déficit de Atenção e Hiperatividade) ou Transtorno Desafiador (TD), a imperatividade (crianças acostumadas a fazer o que querem).

A criança sente o abandono e não entende os motivos da atitude dos pais (ou de um deles). Em consequência, há uma piora dos casos de comportamento por parte da criança. E aí acontece mais uma forma de violência: a rejeição.


A rejeição fica muito evidente nos casos de imperatividade. Desde muito novas, essas crianças foram acostumadas a fazerem o que queriam e quando queriam. São crianças que não obedecem a ninguém, ofendem qualquer pessoa com palavras, ações e gestos como bater nos pais em público, quando estes não fazem o que querem e no momento que querem.

No começo, era tudo engraçado e os pais e parentes riam dessas atitudes. Para a criança, rir de algo que ela fez (mesmo que errado) é “permissão”. Essas crianças apresentam atitudes e comportamentos que chegam às raias da má-educação: mandam e batem nos pais, avós, professores por não fazerem suas vontades. Para elas não existem regras, valendo suas vontades. Por isso, são inadaptadas socialmente. Mas à medida que vão crescendo, o que era engraçado vai ficando insuportável. Os pais passam a sentir vergonha do mal comportamento dos filhos. E passam a evitar esse constrangimento usam a rejeição.


Na rejeição, os pais culpam a criança. Por isso, evitam sair com ela, dão broncas e castigos (muitas vezes exagerados), o que faz aumentar a revolta da criança. E quanto mais a criança se rebela, mais rejeição encontra. Mas será que a culpa é mesmo da criança? Ou será que os pais não querem assumir que erraram ao educá-la?

A negligência se dá ainda de outras formas: na falta de correção de atitudes desagradáveis como a de uma criança que não respeita os mais velhos (tios, pais, avós, professores etc) é uma dessas formas. Se na primeira vez que a criança apresentar uma atitude dessas e for corrigida, ela não fará mais.


Outra forma de negligência é a “omissão”. Pais que se omitem de investigar a origem de coisas que os filhos pequenos trazem para casa, sabedores de que aquilo que o filho trouxe não é dele, ensinam por omissão que ele pode obter o quê e quando quiser sem permissão. E com isto, formam-se pessoas sem o menor respeito pela propriedade alheia. E depois, reclamam da violência das ruas.

NÃO SE CALE! DENUNCIE!

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

VIOLÊNCIA: 9º motivo

Ao abordarmos este tema é preciso notar que os seres humanos são vítimas e algozes. Isto significa que somos a única espécie que mata ou fere seus semelhantes por prazer, por poder ou por preconceito em todas as suas variantes. 
Segundo a Organização Mundial da Saúde, “a violência é uso intencional de força física ou de poder, ameaçador ou real, contra si, contra uma outra pessoa ou sobre um grupo de pessoas resultando (ou tendo grande possibilidade) em ferimentos, morte, danos psicológicos, privação ou mal desenvolvimento. E em nossa sociedade os números estatísticos da violência não param de crescer”. E isso preocupa a todos.

A violência, seja pelo abuso de força, pela tirania, pela ação violenta, opressão ou pela coação física ou moral, é a causa principal de suicídios em todas as idades. É ainda a causa de muitas mortes, de dezenas de hospitalizações, de centenas de visitas emergenciais e de milhares de consultas médicas.

TIPOS DE VIOLÊNCIA
Estudos feitos revelam que podemos classificar a violência em três tipos: a violência autodirigida, a interpessoal e a coletiva.


A violência autodirigida pode ser subdividida em comportamento suicída e auto abuso. No comportamento suicida ou suicídio deliberado os sujeitos expressam pensamentos e práticas ou tentativas de dar cabo à própria vida. Já no auto abuso, os sujeitos voltam-se contra si mesmos, como a automutilação (assunto das últimas postagens).

A violência interpessoal é sempre dirigida contra uma pessoa em particular ou contra um grupo de pessoas. Este tipo de violência pode ser subdividida em: violência infligida e violência doméstica. A primeira é quando a ação de alguns é exercida sobre um grupo (maior ou menor) de pessoas, como por exemplo: os ataques terroristas, as quadrilhas e grupos de traficantes de drogas, grupos políticos organizados que promovem arruaças e destroem o patrimônio público e privado (atos de vandalismo), etc. Na segunda, acontece dentro dos próprios lares, incluindo os maltratos a menores, a esposa (violência conjugal) ou a idosos. 

O resultado destes tipos de violência são: os problemas físicos, sexuais, psicológicos e emocionais e podem afetar os pais, filhos e o relacionamento deles a curto ou a longo prazos. Neste caso, o grande problema é o sigilo, por causa do medo que as vítimas sentem do agressor.


A violência comunitária ou estrutural é aquela cometida a grupos maiores de pessoas ou pelos governos, empenhados em oprimir a coletividade. Inclui-se neste tipo as guerras, atos terroristas como os que ocorrem no momento na Europa. Os atos estatais por ideologias econômicas que prejudicam a coletividade impedindo ou dificultando a atividade econômica de forma a garantir a subsistência e/ou a negação de serviços essenciais como educação, saúde e trabalho; a corrupção que impede ou dificulta o bom andamento das o bem-estar da coletividade, beneficiando o aumento da riqueza de uns em detrimento da maioria que fica cada vez mais pobre; os crimes de ódio (contra gays, racismo, etnia e gênero etc) e a pobreza generalizada de um povo por governos opressores e promovem a estagnação de um povo (como acontece com alguns povos africanos).

bullying

Uma outra vertente da violência coletiva ou institucional é a que ocorre dentro de ambientes como as escolas, locais de trabalhos, prisões e asilos. Entre os jovens citamos como exemplo: o bullying, os combates físicos, as rebeliões em prisões, o descaso no cuidado. A violência ou os maltratos de idosos em asilos, o assédio no trabalho, agressões sexuais os estupros.

Mas nem todas são da competência dos governos. As pequenas ações de violência, por exemplos, dependem exclusivamente cada um de nós, adultos e educadores. Ou seja, se cada um de nós fizermos a sua parte haverá menos violência no nosso país e no mundo. Querem saber por quê?

Imagine algumas situações e reflita. Os pais ensinam o filho que mentir é feito e que ele nunca deve mentir. Porém, alguém toca a campainha, a mãe olha e é uma vizinha que ela não está disposta a atender. Então, ela pede ao filho que vá e diga que ela não está. Uma mentirinha corriqueira e sem consequências, pensa ela. Será tão inconsequente assim? Na cabecinha da criança ficará uma dúvida: se eu não posso mentir, por que meus pais pode?

O mesmo se dá com a violência. Sabemos, por inúmeros relatos, que pais violentos formam filhos violentos também. Se um pai agride diariamente a esposa com xingamentos ou espancamentos, que exemplo estará dando aos filhos? Se um pai acompanhado de um filho, passar por uma moça e disser um gracejo impróprio e desabonador, estará ensinando o quê para ele? Respeito aos outros, não é. E como esse filho agirá no futuro em ambos os casos? Certamente, igual ao pai, pois o exemplo lhe foi mostrado.

Há milhares de anos Deus nos deu 10 regras para cumprimos. Apenas 10 que valeram e valem até este momento o momento. 


E assim como Deus, os pais também têm suas regras porque são os primeiros educadores dos filhos. E eles aprendem não só pelo que os pais dizem, mas principal-mente, pelo que fazem ou se comportam, ou seja, pelo exemplo que dão. 

Por isso, é preciso ensinar tudo, principalmente, as regras e os valores morais e sociais, repetir esse ensinamento milhares de vezes e mostrar como agir pelo cumprimento do que se prega para que, no futuro, ele possa agir de acordo com o que lhe foi ensinado. Muita gente não sabe o que são “regras” ou as confunde com “valores”. Regras são o que os filhos podem ou não podem fazer, como por exemplo, bater no irmão, quebrar objetos da casa, não machucar o cachorro etc. Valor é a forma como devem agir em relação com os outros, como por exemplo: respeitar as coisas dos irmãos, usar uma coisa apenas com a permissão do dono, não maltratar (levantar a mão, bater, xingar pessoas mais velhas), não desobedecer as ordens ou pedidos dados pelos avós/tios ou outros parentes próximos, não pegar nada dos outros, não agir com preconceitos etc.


O ensino das regras e valores deve começar muito cedo (desde o 1º ano de vida) e em casa, para que possam ser incorporadas ao cotidiano e usadas automaticamente no futuro. E com estes pequenos atos haverá, mais generosidade, respeito, consideração e empatia no futuro. E se não agirmos desta maneira, estremos negligenciando o pleno desenvolvimento mental, moral e social dos nossos filhos.

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

AUTOMUTILAÇÃO TEM RECUPERAÇÃO?

Quando se fala de automutilação parece que o sujeito ficará assim para sempre. Mas existe tratamento para esse comportamento. Esse tratamento é feito com psicólogo e psiquiatra em conjunto. Recomendo que sejam da linha gestáltica (Gestalt = comportamento em alemão) ou humanista (que olham as pessoas num sentido global, ou seja, tratam do corpo, da mente e da alma).

COMO ENCONTRAR ESSES PROFISSIONAIS?

É só pesquisar no Google ou outra fonte de busca de sua preferência e aparecerá uma lista deles e de uma instituição onde se pode encontrá-los. Entre nos sites e pegue telefone, endereço. Entre em contato com seu escolhido pessoalmente ou por via internet.

POR QUE RECUPERAÇÃO E NÃO CURA?

A automutilação não é uma doença e, por isso mesmo, não se fala em cura. Doenças são curáveis, comportamentos são recuperados. Portanto, RECUPERAÇÃO  enão cura.

COMO É O TRATAMENTO?


Esse tratamento psicológico trabalhará o comportamento através de terapia que ensina outras formas de ação para aliviar as tensões, evitando os machucados.  Já o tratamento psiquiátrico entra com os medicamentos que diminuem os estados depressivos, a impulsividade e a ansiedade que, por sua vez, mantém o comportamento ajustado para que não se ferirem mais.

Um bom tratamento psicológico e/ou psiquiátrico, fazem com que os usuários desta prática, a abandonem completamente. À medida que isso vai acontecendo, os usuários passam a se compadecer dos que estão na mesma situação em que estiveram e manifestam o desejo de ajuda-los de alguma maneira.

Mas até que se convençam de estão livres desse comportamento indesejado, passam por uma sensação de vazio. Há relatos de ex-automutiladores de que, depois de recuperados, são incapazes de sentirem ódio, raiva, indignação, insegurança, alegria, amor que são próprios dos seres humanos. Ficam apáticos, desinteressados com tudo que os rodeia. Mas esta sensação é por um curto espaço de tempo.  O que também é um problema preocupante para a família. 

POR QUE A FAMÍLIA TEM QUE PARTICIPAR DA TERAPIA?


Quem lida com o automutilante é a família. Muitas vezes, assustada com os ferimentos, a família passa a tratá-los com críticas, comparações, com ordens, cobranças e tecendo julgamentos que mais complicam do que ajudam. Por isso, o tratamento começa com a família para resolver dúvidas, aprender como lidar com ele com  jeito, carinho e amor. 

Sabemos que todo automutilador se recusa a falar sobre o assunto e não pede ou aceita ajuda. E caberá a família o convencimento do jovem a fazer o tratamento também.



Levá-los à força a um profissional não é recomendado, a não ser que seja extremamente necessário ou seja, com risco iminente da vida, pois ele, o automutilador quem terá que: seguir à risca o tratamento, tomar os medicamentos segundo a prescrição e fazer exercícios, se lhes forem pedidos.

domingo, 15 de outubro de 2017

AUTOMUTILAÇÃO 2


CAUSAS DA AUTOMUTILAÇÃO



As causas da automutilação são variadas. Há causas familiares, sociais e de comportamento e as causas clínicas.

A rejeição e/ou o abandono, a simbiose (quando os pais fazem dos filhos uma extensão de si mesmos, a superproteção (excesso de carinhos e de atenção impedindo que os filhos ajam, pensem e expressem-se por si mesmos), os espancamentos como castigo por alguma falta, constituem as causas familiares. Já o bullying e o assédio moral e sexual, a  descoberta da sexualidade na contramão do padrão social, fazem parte das causas sociais.

A associação entre dor e prazer (crianças hospitalizadas por longo tempo), as atitudes de agressividade, injustiças, e os problemas de adaptação ao meio que causam baixa autoestima, baixa autoconfiança, inseguranças, a depressão e os sentimentos de inferioridade, de infelicidade persistentes, constituem as causas de comportamento. A esquizofrenia, o transtorno de Borderlaine, o transtorno bipolar, os alimentares e a epilepsia, constituem as causas clínicas e podem atuar ou não em conjunto com as descritas anteriormente e forçosamente ampliam o grupo de risco.
Se desde a infância essas pessoas se sentem inadaptados ao mundo (sociedade, família, grupos de amigos), se se percebem como insignificantes, incapazes e pouco produtivos e, portanto, se nada possuem de “bom” para oferecerem aos outros e o mundo para eles, aumenta o isolamento, a angústia e o sofrimento. E sentem que precisam botar para fora o que lhes está incomodando, precisam extravasar.

A IDEIA DE AUTOMUTILAÇÃO VEM DE ONDE?



Diante da necessidade de extravasamento da dor emocional, crianças e jovens adolescentes ficam a espreita de qualquer dica. Seja em conversas ou comentários entre amigos ou em sites de buscas na Internet.

A disseminação da automutilação tem sido feita pelas redes sociais. Disseminação esta que tem preocupado os especialistas como os psicólogos, psicopedagogos e psiquiatras do mundo todo. Principalmente no Brasil, onde a incidência tem aumentado consideravelmente. Alguns especialistas têm considerado essa disseminação como uma “epidemia de um castigo dado a si próprio”.

Todo mundo sabe que o acesso a Internet tem ficado cada vez mais fácil e que crianças cada vez mais cedo estão tendo acesso a essa forma de comunicação. E se por um lado essa facilidade é boa, por outro lado é também muito ruim. Por isso, é que se recomenda que os pais e professores fiquem muito atentos aos sites que as crianças e jovens entram.

Para realizar este artigo fiz uma busca no Facebook. Entrei numa porção dessas páginas e foi deprimente. E em todas as páginas, milhares de curtidas.

Encontrei uma porção de páginas que mostram fotos das feridas de pessoas que se automutilam. Há também relatos, giffs e fotos dos instrumentos que usam para essa prática, como canivetes, lâminas de barbear e, até mesmo, a lâmina dos apontadores etc.
Os administradores dessas páginas afirmam que o objetivo é a informação e o esclarecimento sobre o tema para que não aconteçam e ajudar os jovens que praticam a automutilação sem qualquer tipo de julgamento. Além do mais alegam que os usuários deste comportamento podem trocar experiências e indicam telefones de contato em grupos de “auto-ajuda” e pedem que o contato seja feito pelo Whatsap.

Ops! “AUTO-AJUDA”...  Há algo estranho por aqui, não acham?

Primeiro, se é de informação por que o contato é de “auto-ajuda” e não de profissionais sérios dos ramos da psicologia ou da psiquiatria que tratam especialmente deste problema? Por que o contato é pelo Whatsap e não diretamente no consultório do profissional? Quem dá esses conselhos? Que conselhos são dados a eles? E o que ganham com isso? Quem estará por detrás dessas páginas? Se os administradores das páginas são jovens, também serão praticantes da automutilação a procura de seus iguais nessa prática? Sem não forem, que tipo de “boa ação” é essa? Serão adultos enganando os jovens problemáticos e outros jovens também que acessam a página?


Lembram-se do caso da “baleia azul” e dos desafios entre jovens pela internet e que causaram a morte dos que aceitam esses desafios malucos que causaram a morte de muitos adeptos a este jogo? Quando postei um artigo mostrando os perigos deste jogo na minha página do Facebook, recebi algumas críticas que de algumas pessoas que estavam cansadas de ouvir falar sobre o assunto. Porém estas pessoas sabem do que acontece ou pode acontecer aos adeptos deste jogo?

Não são as novas tecnologias, a Internet ou as redes sociais que são ruins ou nocivas, mas o uso que nós (pessoas) fazemos delas. Elas são apenas instrumentos que usamos para o bem ou para o mal.

Portanto, as autoridades fazem algumas recomendações: o uso de computadores deve ser à vista de todos os familiares e os pais devem estar atentos ás páginas e sites que seus filhos entram.

PAIS, CONFIEM DESCONFIANDO.

Obs: Hoje voltei a procurar as páginas citadas no Facebook para tirar algumas dúvidas e só encontrei uma, a de uma garota de 13 anos (titular da página) que diz estar "curada a pouco tempo" que diz querer ajudar. Fica a pergunta: onde os outros foram parar?


terça-feira, 3 de outubro de 2017

AUTOMUTILAÇÃO: um pedido de socorro



A automutilação é mais uma das tentativas de controlar as dores emocionais que são incontroláveis. Trata-se de um comportamento e intencional silencioso que envolve uma agressão direta contra o próprio corpo. Os usuários desta prática querem se livrar das sensações de fracasso e de insignificância que geram essa dor. Em nenhum momento passa em sua mente a ideia de suicídio, no entanto, pode ser que venha a acontecer. 
Esta prática atinge 20% de crianças e adolescentes do Brasil e do mundo. É mais comum em jovens e adolescentes (principalmente entre as meninas). Embora essa prática seja uma constante em pessoas esquizofrênicas, também atinge pessoas com problemas emocionais menos severos.

Existem várias formas de automutilação. As mais comuns são: cortar a pele, bater em si mesmo, arranhar-se ou queimar-se. Outras formas menos comuns são: morder-se, furar-se com objetos pontudos, chicotear-se, enforcar-se por alguns instantes, morder as mãos, lábios, língua ou braços, apertar ou reabrir feridas, arrancar os cabelos, beliscar-se, ingerir produtos corrosivos ou alfinetes ou cacos de vidro, socar paredes ou superfícies rígidas/ásperas que machucam as mãos, automedicar-se exagerando nas doses.


Os adeptos deste comportamento sabem o que estão fazendo e, por isso mesmo, tentam esconder de todas as formas possíveis as feridas e as cicatrizes com as roupas. Quando são descobertos tentam justificar as cicatrizes ou machucados como se fossem “acidentes”.


Este comportamento não começa na adolescência cujo pico de incidência é maior, mas na infância. As causas são variadas e podem ser por rejeição/abandono, por mimos excessivos (superproteção ou simbiose), bullying, ou por crianças que passam muito tempo hospitalizadas por problemas físicos demorados e dolorosos que causam muito sofrimento e terminam associando dor com prazer. Muitos indícios que as crianças revelam como a falta de adaptação ao meio, agressividade ou formas de arredio, baixa autoestima e autoconfiança, insegurança ou de sentir-se inferiores aos demais e de infelicidade crônica passam despercebidos pela família e pela escola. É verdade que nem todos os que apresentam estes sintomas irão se auto-mutilar. Mas eles se encaixam num volumoso “grupo de risco”.


PERFIL DO AUTO-MUTILADOR

1- O automutilador é INTROSPECTIVO. Isto significa que são aqueles jovens muito calados que encontram muita dificuldade em expressar verbalmente seus sentimentos e emoções ou que sentem vergonha de chorar diante de outras pessoas, mesmo que sejam da família. Isto acontece porque sentem medo de serem julgados ou de que os outros não compreendam sua dor.

2- Por ser um ATO INTENCIONAL, depois que se machucam, sentem culpa por terem trocado a dor emocional pela dor física.

3- Os automutiladores gostam de escrever sobre o que sentem. Antes ou depois de se autoagredir, muitos escrevem textos, poemas, contos, letras de músicas onde revelam seus medos e falam dos seus sentimentos e dores e as escondem em lugares de difícil acesso. Poucos preferem desenhar ou pintar, pois acreditam que seria mais difícil de guardá-los ou de escondê-los.

4- São pessoas que se enxergam como FRACASSADOS ou como CRIATURAS INSIGNIFICANTES e que não merecem viver / conviver com os demais.

5- Seu refúgio é o ISOLAMENTO, seja da família ou dos amigos pois acreditam que estão fazendo um bem para eles não impondo a sua presença.


6- Apresentam FALSA AUTOSSUFICIÊNCIA. Procuram fazer tudo sozinhos para não incomodar os outros.

7- NÃO PLANEJAM O FUTURO. Acham-se tão incapazes que acreditam que o futuro nada lhes trará de bom. Por isso, se surpreendem quando tiram alguma nota alta, passam no vestibular ou arranjam um emprego. Mas estas conquistas não são capazes de interromper suas práticas autoagressivas.

ESTEJAM ALERTA PARA:

- Está calor e seu filho está de agasalho ou gostava de piscina e de repente, diz que não gosta mais – ele pode estar escondendo ferida e cicatrizes.


- Vive no quarto sempre de portas trancadas a chave – pode estar se cortando ou escondendo textos.

- Gavetas e armários que nunca estiveram trancados e de repente estão – escondem o objeto de corte ou os textos que escreve.


- Choros incontidos sem motivo aparente – revelam sentimento de culpa.

- perda do brilho nos olhos – problemas à vista.

CONTINUA

sábado, 23 de setembro de 2017

TENTATIVAS DE CONTROLE DAS DORES EMOCIONAIS


As dores emocionais são lancinantes e recheadas de culpas, remorsos, de sentimentos de fracasso e de insignificância pessoal, mesmo que os sujeitos não tenham cometido nenhum ato que sugerisse a existência deles. Ao contrário, eles são vítimas de situações constrangedoras como a rejeição, abandono, o bullying, rejeição ou chacota pela descoberta do interesse sexual por pessoas do mesmo sexo ou da transgeneridade e o abuso sexual.


Mas na tentativa de aliviarem essas dores, muitos adolescentes e jovens adotam comportamentos silenciosos de pura agressividade contra si mesmos, como se quisessem ser punidos por algo que se sentem responsáveis.

A bulimia, anorexia, uso abusivo de medicamentos, drogas ou álcool, outros tipos de problemas emocionais e a automutilação são comportamentos silenciosos, intencionais, incontroláveis e viciantes que vão minando as forças de quem os pratica. E mesmo que não queiram causar a própria morte, ela pode vir a acontecer.


É preciso que os adultos saibam que estes comportamentos não são casos esporádicos. Eles atingem cerca de 15% em crianças e 20% da população juvenil no Brasil e no mundo, atingindo pessoas de todas as etnias, raças, credos e classes sociais. A incidência maior é das moças e menor entre os rapazes.


Começa com isolamentos (até certo ponto comuns á idade e que confunde muito os adultos), passa por problemas de adaptação ao meio social, mexe com a autoestima e a autoconfiança baixam rapidamente, aumento da insegurança e dos sentimentos de inferioridade em relação aos demais e da infelicidade explícita ou velada.

Por serem viciantes, surgem com o tempo outras complicações. A depressão é uma delas. Muitas pessoas acreditam que a depressão é apenas uma tristeza momentânea que passa algum tempo depois. A depressão é mais duradoura mais profunda que isso. É algo que apaga o brilho do olhar, que desanima e impede os sujeitos de agirem. É uma doença que afeta os neurotransmissores do cérebro impedindo que produza a serotonina e afeta o físico e o comportamento. Surge então a apatia e o isolamento.


A anorexia e a bulimia podem estar ligadas ao bullying, a sexualidade e a rejeição do próprio corpo. E a complicação mais grave é a inanição. O contraponto, é a obesidade mórbida.

Todos estes comportamentos têm solução. Seja por meio de tratamento psicológico, tratamento psiquiátrico ou de ambos. Mas é preciso que, tanto o jovem quanto sua família participem do tratamento.