OBJETIVO DO BLOG

Este blog tem por objetivo orientar os pais que possuem filhos entrando ou vivenciando a adolescência. De orientar também os professores que lidam com eles diariamente,para que possam compreender suas dificuldades e ajudá-los ainda mais, pois, esta é uma fase complicada na vida dos jovens e, muitos pais e professores não sabem como agir diante de certas atitudes desses jovens. Pais e professores encontrarão aqui informações de médicos, psicólogos e teóricos sobre a educação dos adolescentes.

sábado, 21 de abril de 2012

CONFLITO ENTRE PAIS E FILHOS – COMO RESOLVER?

Resolver a esta questão não é fácil porque cada filho é diferente do outro, tem problemas diferentes de relacionamento com seus pais. Por outro lado, cada pai e cada mãe também são diferentes uns dos outros. Além disto, não existem receitas prontas. No entanto, existem pontos na educação dos filhos e nos conflitos que são comuns a todas as famílias.

Um desses pontos diz respeito a obediência e a disciplina, razão dos maiores conflitos. Então, vamos analisar essa questão.

A maioria dos pais passa  o tempo todo do desenvolvimento dos filhos repetindo as mesmas coisas no sentido de encaminhá-los para a vida. Mas, os filhos fazem exatamente o contrário do que lhes é ou foi ensinado. Por que isto acontece?

Como bons educadores (e os pais são os primeiros mestres de nossas vidas) pais e mães devem conhecer cada filho em particular. Conhecer seus gostos, preferências, necessidades, desejos, tendências e inclinações. E sabem que os filhos são rebeldes e desobedientes por natureza.

Os filhos, para aprenderem, precisam experimentar e verificar o que acontece em cada situação.  E nesta experimentação agem por experiências de ensaio e erro.  Por isso, é necessário que os pais repitam centenas ou milhares de vezes a mesma coisa, sem que se mostrem cansados dessa tarefa ou irritado por ter de faze-la. A repetição atua como lembretes que os filhos lançam mão em determinadas situações. Os pais sabem que são modelos para os filhos. Por isso, precisam ter autoridade sobre eles e colocar limites. 

Colocar limites é ensinar cada filho a perceber e compreender os seus próprios limites. Devem ensinar que na vida em sociedade não se pode fazer o que quer e quando bem entender. Que na vida, existe uma relação muito estreita entre direitos e deveres que devem ser respeitada. E os filhos devem compreender e praticar esta relação. Mas, esse ensinamento não deve ser feito com gritos, brigas, nervosismos ou stresses.

Os pais que ensinam gritando, brigando, batendo e humilhando os filhos perdem a autoridade e o respeito deles.

Pais extremamente benevolentes e paternalistas sufocam a personalidade dos filhos e tiram deles a oportunidade de uma vida produtiva e autônoma. Na verdade, esse paternalismo e benevolência serve mais aos interesses dos pais do que aos filhos, porque filhos satisfeitos não reclamam, não discutem, não confrontam a autoridade. Mas, também. os tornam alienados de suas próprias vidas.
Pelo Código Civil, pais e mães têm a mesma responsabilidade sobre a educação dos filhos. Mas, sabemos que na prática as coisas são bem diferentes e a responsabilidade maior recai sobre os ombros da mãe, seja porque existe um pensamento coletivo a esse respeito, seja por conta da “missão” maternal ou porque o casal assim decidiu.

Mas, se o homem é o “cabeça” da família, o grande provedor, a mãe é o “pescoço”, que firma a cabeça e a liga ao restante do corpo. Cabe a ela a estruturação da família. Uma estruturação que dita os rumos para onde a família se move. A ela também cabe o papel de “fiel da balança”, ou seja, cabe a ela manter o equilíbrio entre os membros da família e de suas relações.
Manter esse equilíbrio não é esconder, ocultar ou não ver os erros e defeitos dos filhos. Mas, o de educar adequadamente a todos e corrigir as arestas de cada um em particular. E só consegue isto sendo justa e imparcial, dando crédito a quem tem e provendo a cada filho das possibilidades de melhoria de conduta, Mas, também da  empatia quando estes sofrem.

Ter empatia é sentir na pele o sofrimento, as decepções e frustrações dos filhos, mas sem tomá-las para si como suas. É ser solidária, porém, deixando que cada filho resolva suas questões por si só. É ouvir. acalmar, orientar, e, pacientemente, esperar pela solução, como fazem os amigos de seus filhos.  Principalmente na puberdade e na adolescência, quando os filhos já possuem a capacidade de decidir o que é melhor para si.

E, para ser empática é preciso deixar de lado alguns comportamentos egoístas, como querer que os filhos continuem na sua dependência. E para isso, é preciso conquistar ou reconquistar a confiança dos filhos.

PENSEM NISTO:

Kalil Gibran compara pais e filhos ao arco e a flecha. Os pais são os arcos. Fortes, rijos, que sustentam e impulsionam a flecha na direção de um alvo. A flecha, lançada á própria sorte, deve estar tão bem preparada que seja capaz de superar as intempéries do trajeto e atingir o alvo. 

fonte
Este texto tem como base a entrevista de Raul Teixeira a um programa da TV, contido num video do Youtube. 

Raul Teixeira, recentemente falecido, foi professor da Universidade Federal Fluminense e Mestre e Doutor em Educação.

3 comentários:

  1. Sou Peagoga e trabalho com adolescentes com aprendizagem profissional, muitas vezes os pais me procuram pedindo ajuda com seus filhos, tenho uma filha de 15 anos então estou feliz com este blog, me leva a refletir e ter mas conhecimentos em ajudar minha filha e os jovens com seus pais.

    ResponderExcluir
  2. sou mãe e estou em conflito em casa com seu marido por que ele é muito grosseiro com nossa filha de 6 anos ele não sabe falar é na base do grito com ela. ela tem apenas 6 anos mas demostrar que tem uma certa raiva do pai e fica dizendo cois apara mim tipo por que ele não vai embora ou porque vc casou com ele esta coisas assim tenho pena dela pois para mim é só uma criança mas o pai a trata como uma adulta e não sei o que fazer?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, mamãe! Seu comentário reflete bem o desafio que está passando.Se a senhora quiser falar sobre esse assunto em particular escreva para este e-mail
      suefreitas@hotmail.com e me explique com mais detalhes para que eu possa ajudá-la. Use como assunto "MÃE EM CONFLITO" para que eu não o delete. Fico no aguardo.

      Excluir

MEUS QUERIDOS

Fiquei muito feliz com sua visita a este espaço que também é seu. para que ele fique melhor e mais do seu agrado, deixe por favor, um comentario, um recadinho ou uma sugestão.
OBRIGADA